Por que meu cachorro está vomitando?

O vômito é um sinal comum de estômago irritado e intestino inflamado ou desconforto gastrointestinal.

Como quase todos os donos de cães sabem, o vômito em cães é uma coisa desagradável de se testemunhar e pode ser angustiante.

Mas, lembre-se também de que esta é a maneira do seu animal de estimação esvaziar o estômago de material indigerível para evitar que permaneça em seu sistema ou atinja outras áreas do corpo.

O que está causando o vômito do meu cachorro?

Várias coisas podem fazer um cachorro vomitar, o que não é tão incomum. Às vezes, até cães saudáveis ​​adoecem sem motivo aparente e se recuperam rapidamente.

É possível que seu filhote tenha comido muito rápido, jantado com muita grama ou comido algo que seu estômago discordou.

Por que meu cachorro está vomitando?

Esse tipo de vômito pode ser uma ocorrência única e não ser acompanhado por nenhum outro sintoma. Então, você pode não ter nada para se preocupar.

Causas potenciais de vômito agudo (súbito ou grave) podem ser uma doença, distúrbio ou complicação de saúde, incluindo:

  • Ingestão de venenos, toxinas ou alimentos (lixo, chocolate, anticoagulante)
  • Insolação
  • Reação à medicação
  • Infecção bacteriana ou viral
  • Falência renal
  • Insuficiência hepática
  • Pancreatite
  • Mudança na dieta
  • Inchar

Quando o vômito em cães é motivo de preocupação?

O vômito pode ser motivo de alguma preocupação e constituir uma emergência veterinária grave se você observar algum destes sinais:

  • Vomitar muito de uma só vez;
  • Vomitar sem sair nada;
  • Vomitando sangue;
  • vômito crônico;
  • Vômitos contínuos;
  • Vômitos em conjunto com outros sintomas como letargia, perda de peso, febre, anemia, etc;
  • Diarréia sanguinolenta;
  • Suspeita de ingestão de corpo estranho (como alimentos, objetos, brinquedos infantis, etc.);
  • convulsões;
  • Vômito Crônico.

Se você achar que seu cão está vomitando com frequência ou se tornou um problema crônico ou de longo prazo, isso é motivo de preocupação, especialmente se você notou sintomas como dor abdominal, depressão, desidratação, sangue, falta de apetite, febre, fraqueza e perda de peso ou outros comportamentos incomuns, procure logo por um laboratório veterinário.

Estes podem ser causados ​​por:

  • Câncer;
  • Insuficiência hepática ou renal;
  • infecção uterina;
  • Constipação;
  • Obstrução intestinal;
  • Colite.

Como um pai cauteloso, é sempre melhor priorizar a segurança e o cuidado quando se trata da saúde do seu cão. A melhor maneira de saber se o vômito do seu cão é normal ou não é entrar em contato com o veterinário.

O que devo fazer se meu cachorro não para de vomitar?

Seu veterinário precisará de sua ajuda para encontrar a causa do vômito com base em seu histórico médico e atividades recentes.

Por exemplo, se o seu cão andou curiosamente explorando os quartos das crianças ou você o pegou cheirando a geladeira, é possível que ele tenha se metido em algo que não deveria.

Você passa todos os dias com seu cão, então provavelmente será a melhor fonte de informação do seu veterinário quando se trata de diagnosticar o problema. Seu veterinário pode então testar, diagnosticar e tratar a condição.

Uma nota sobre a indução de vômito em cães

Muitos proprietários em pânico provavelmente pesquisaram no Google “como induzir o vômito em cães”. As toxinas causam distúrbios gastrointestinais, mas causam sérios danos quando são absorvidas pela corrente sanguínea à medida que entram nos tecidos.

Com a descontaminação, o objetivo é eliminar a toxina do corpo antes que ela seja absorvida. Se o vômito ocorrer antes que os intestinos absorvam a toxina, a toxicidade pode ser evitada.

No entanto, os donos de cães devem saber que induzir o vômito em casa não é recomendado, exceto em circunstâncias extremas.

Além disso, isso sempre deve ser feito sob a orientação de um veterinário licenciado. Antes de tomar esta ação, ligue para o seu veterinário principal ou para um centro veterinário de controle de envenenamento para obter orientação.

Se o vômito deve ser induzido em casa depende do que e quanto seu cão consumiu e quanto tempo se passou – há uma chance de que a substância ou a quantidade consumida não seja tóxica, portanto, induzir o vômito não seria necessário.

Embora o vômito possa trazer com segurança a maioria das toxinas, algumas causarão mais danos ao passar pelo esôfago uma segunda vez, movendo-se pelo trato GI. Estes incluem alvejante, produtos de limpeza e outros produtos químicos cáusticos e produtos à base de petróleo.

Além disso, se o peróxido de hidrogênio a 3% (a única substância doméstica segura que pode ser usada para induzir o vômito em cães) for administrado incorretamente, ele pode entrar nos pulmões e causar problemas significativos, como pneumonia.

Além disso, se o seu cão tiver uma condição de saúde pré-existente ou outros sintomas, isso pode resultar em riscos à saúde. Se for necessário, é preferível ter um veterinário qualificado induzindo vômito na clínica.

Quando não induzir o vômito

O vômito nunca deve ser induzido em um cão que é:

  • Tendo uma convulsão ou recentemente teve uma convulsão;
  • Letárgico;
  • Sem resposta ou inconsciente;
  • Já vomitando.

Além disso, o peróxido de hidrogênio não deve ser usado para induzir o vômito em gatos, pois é muito irritante para o estômago dos gatinhos e pode causar problemas no esôfago.

O que devo fazer se suspeitar que meu cachorro ingeriu uma toxina?

Entre em contato imediatamente com seu veterinário ou o controle de veneno é a melhor coisa que você pode fazer depois que seu animal de estimação ingere uma toxina.

Continue lendoPor que meu cachorro está vomitando?

6 dicas de prevenção de incêndio no local de trabalho

Existem algumas maneiras de melhorar a segurança contra incêndio no local de trabalho, e nesse artigo colocamos algumas, confira:

Dica nº 1: atribua funções de segurança contra incêndio

Se a sua organização não designou pelo menos uma pessoa (idealmente, uma equipe de pessoas) para supervisionar a segurança contra incêndio, esta deve ser a primeira prioridade da sua organização.

Cada empresa deve encontrar pelo menos uma pessoa para servir como seu Fire Warden. Alguns candidatos que podem fazer sentido para a função incluem o gerente de escritório, gerente de instalações, gerente de segurança ou gerente de recursos humanos da sua empresa.

Lembre também que é importante a Instalação e Manutenção da Rede de Hidrantes para prevenir em dia de incêndio.

Essa pessoa ou equipe deve desenvolver uma compreensão clara de quais condições podem levar a um incêndio no local de trabalho e como sua organização está atualmente.

Tarefas do bombeiro:

  • Auxiliar na implementação e melhoria de procedimentos de emergência eficazes em seu local de trabalho;
  • Realize um passo a passo completo do espaço de trabalho da sua empresa para avaliar os riscos de incêndio;
  • Aumentar a conscientização (tanto com a liderança quanto com a equipe) sobre os perigos de incêndio existentes;
  • Documente as áreas de risco e trabalhe com a liderança para resolvê-las;
  • Ajude a prevenir emergências avaliando as medidas de controle de risco de incêndio;
  • Educar os funcionários sobre como responder a uma emergência;
  • Planejar e executar simulações de incêndio regulares;
  • Continue com orientações de prevenção de incêndio de rotina;
  • Lembre-se de que é importante designar uma pessoa específica responsável pelo risco e prevenção de incêndio no local de trabalho.

Dica nº 2: Identifique os riscos no local de trabalho

6 dicas de prevenção de incêndio no local de trabalho

A ameaça da maioria dos incêndios no local de trabalho pode ser extinta bem antes da faísca inicial. Na verdade, há uma variedade de fatores que colocam uma empresa em maior risco de ocorrer um incidente de incêndio.

  • Utensílios de cozinha;
  • Fiação elétrica;
  • Tiras de energia (sobrecarregadas);
  • Equipamento de Iluminação;
  • aparelhos de aquecimento;
  • Incêndio culposo;
  • Materiais para fumar;
  • Exposição;
  • Equipamento de escritório/entretenimento;

Dica 3: Preste atenção às áreas propensas a incêndios

Como existem vários fatores de uma indústria para outra, não há nenhuma panacéia de segurança contra incêndio que funcione em todos os setores.

Dito isso, existem áreas comuns dentro de muitos ambientes de trabalho convencionais que devem ser vistas como de maior risco.

Pouco mais de um quinto dos incêndios relatados no local de trabalho em um período de cinco anos começaram na cozinha de um escritório ou na área de cozinha. Qualquer estrutura com uma cozinha contendo uma torradeira, micro-ondas ou aparelho de aquecimento é vulnerável.

Também deve ser notado que, embora apenas 2% dos incêndios tenham começado no teto/sótão de um local de trabalho, esses incêndios foram responsáveis ​​por 13% dos danos diretos à propriedade.

É claro que todas as áreas do escritório devem receber a mesma atenção, mas é útil entender as áreas propensas a incêndios em seu espaço de trabalho e quais pontos de origem produzem mais danos.

Há também precauções que toda empresa deve tomar para diminuir o impacto se ocorrer um incêndio. Isso inclui minimizar o papel solto em todo o escritório, armazenar adequadamente materiais inflamáveis ​​e instruir todos os funcionários sobre prevenção e protocolo de resposta a incêndios.

Mantenha aparelhos funcionais (tanto na cozinha quanto em outros lugares) e realize inspeções elétricas de rotina para ajudar a mitigar o risco de ocorrência de um incêndio.

Dica 4: Eduque os funcionários sobre as diretrizes de segurança contra incêndio

A Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA) exige que as organizações, dependendo da indústria específica e dos materiais perigosos presentes, sigam diretrizes rígidas de segurança. Além disso, as empresas têm o dever de cuidar de seus funcionários.

Essa responsabilidade legal e moral exige que os empregadores façam tudo ao seu alcance para manter seu pessoal fora de perigo.

Mas independentemente da obrigação legal, toda organização deve estar comprometida com um ambiente de trabalho seguro. E isso começa com a educação.

O plano de prevenção de incêndio de toda organização deve ser feito por escrito, afixado de forma visível no local de trabalho e disponibilizado para revisão por todos os funcionários. Alguns componentes chave:

  • Articule claramente todos os principais riscos de incêndio;
  • Instrua os funcionários sobre como manusear e armazenar adequadamente materiais perigosos;
  • Educar os funcionários sobre potenciais fontes de ignição e seu controle;
  • Comunique qual equipamento de proteção contra incêndio está instalado para lidar com cada perigo maior;
  • Comunique o protocolo de evacuação e como usar o sistema de notificação de emergência da sua empresa;
  • Incluir procedimentos para controlar o acúmulo de resíduos inflamáveis ​​e combustíveis;
  • Incluir proteções instaladas em equipamentos de produção de calor para evitar a ignição acidental de materiais combustíveis;
  • Desenvolva uma lista que contenha os nomes/cargos dos vigilantes internos de segurança contra incêndio;
  • Deve-se notar que os empregadores devem informar seu pessoal sobre quaisquer riscos de incêndio a que possam estar expostos durante o desempenho do trabalho. Além disso, os empregadores também devem revisar o plano de prevenção de incêndio com todos os funcionários.

Dica 6: Use uma lista de verificação de segurança contra incêndio

Proteger sua empresa contra incêndios no local de trabalho começa com a compreensão dos riscos enfrentados por sua organização. A tarefa pode parecer esmagadora, e é por isso que uma lista de verificação simplificada é um ótimo ponto de partida.

Continue lendo6 dicas de prevenção de incêndio no local de trabalho

Manutenção de Sprinklers de incêndio: Como prevenir a corrosão

A corrosão de sprinklers contra incêndio é um risco de segurança significativo por vários motivos. É uma das origens mais comuns de um mau funcionamento do sprinkler e, se não for resolvido, pode resultar em tubulações com vazamento, restrição de fluxo e danos causados ​​​​pela água, o que pode arruinar todo o sistema.

Para minimizar o risco, aqui está tudo o que você precisa saber sobre corrosão de sprinklers de incêndio e como fazer a manutenção de sprinklers:

O que é corrosão e como ela ocorre?

A corrosão dos sprinklers está enferrujando dentro do sistema de tubulação. Esse dano ocorre quando o equipamento metálico reage com o oxigênio do ambiente, deteriorando o metal lentamente ao longo do tempo através de um processo conhecido como oxidação.

No entanto, esse desgaste gradual acelera à medida que o sistema interage com a água, resultando em eventual corrosão.

Existem dois tipos de corrosão de sprinklers de incêndio: interna e externa. Ambos podem causar sérios danos, mas a corrosão interna é mais perigosa, pois não é tão visível e mais difícil de detectar a tempo.

Sprinklers em contato direto com a atmosfera, altas temperaturas e elementos naturais são mais propensos à corrosão externa.

manutencao de sprinklers de incendio como prevenir a corrosao

Você não pode impedir manualmente o acúmulo de água nos mecanismos internos do aspersor, portanto, sem inspeções e manutenção de rotina, é praticamente impossível saber se existe corrosão interna.

Quanto mais tempo isso continuar sem detecção, mais vulneráveis ​​serão seus sprinklers de incêndio aos seguintes problemas, que podem levar à falha do equipamento:

  • Odores sulfúricos, de “ovo podre”
  • Vazamento de água ou descoloração
  • Válvulas de descarga bloqueadas ou seladas
  • Fluxo de água limitado (ou nenhum)

À medida que a ferrugem corrosiva desgasta os tubos e outros mecanismos, ela eventualmente obstruirá a ativação do sistema de sprinklers.

Este bloqueio é uma enorme preocupação de segurança em caso de incêndio. Para evitar qualquer mau funcionamento futuro, veja como identificar a corrosão e garantir que o sistema permaneça operacional durante todo o ano:

Como reconhecer e reparar a corrosão

Uma inspeção profissional completa é a maneira mais eficaz de detectar a corrosão de sprinklers contra incêndio. Existem algumas verificações visuais básicas para procurar sinais de corrosão externa. Se os tubos tiverem uma textura áspera, cor de ferrugem ou furos no metal, é provável que tenha ocorrido corrosão.

Um fedor podre e manchas de água no equipamento ou ao redor também são indicadores de preocupação.

No entanto, você precisa chamar os especialistas em relação à corrosão interna. Um serviço de proteção contra incêndio licenciado avaliará minuciosamente toda a tubulação interna do sistema para avaliar sua condição. Essa inspeção – feita a cada cinco anos – determinará se há ou não danos internos.

Depois de detectar evidências de corrosão, o próximo curso de ação é a renovação . Em casos menores, isso exigirá apenas manutenção em seus sprinklers existentes, mas todo o sistema pode precisar de substituição se a corrosão for muito extensa ou significativa.

Para otimizar a segurança e a funcionalidade e minimizar o risco de corrosão futura, você deve fazer esses reparos o mais rápido possível.

Como prevenir a corrosão

Embora você não possa garantir a prevenção de corrosão de sprinklers contra incêndio, você pode tomar medidas para mitigar seu potencial e aumentar a longevidade do seu equipamento. Aqui estão algumas maneiras de fazer isso (algumas com as quais você precisará de assistência profissional):

Atualize o material do tubo. O ferro é altamente vulnerável à ferrugem. Se o seu sistema de extinção de incêndios atual contiver ferro, considere substituí-lo por um material resistente à corrosão e de alta qualidade, como cobre, aço galvanizado ou plástico CPVC.

Para proteção extra, você pode instalar aspersores com revestimento de cera ou metal para ajudar a reduzir o risco de obstruções de pulverização de água relacionadas à corrosão.

Avalie a qualidade da água. Às vezes, a água contém uma concentração incomum de bactérias, o que exacerba a reação metal-oxigênio que eventualmente se transforma em corrosão.

Teste regularmente o suprimento de água do sprinkler e trate-o com agentes antibacterianos.

Instale uma válvula de ventilação. Remova o máximo de oxigênio possível de dentro dos tubos. Claro, você não será capaz de eliminá-lo, mas uma válvula de ventilação de ar pode filtrar uma quantidade significativa.

Quando a câmara do tubo se enche, esta válvula se abre para liberar o ar preso, depois fecha rapidamente para formar uma vedação hermética. Como resultado, há muito menos oxigênio disponível dentro do sistema de tubulação para estimular uma reação corrosiva.

É crucial proteger seus sprinklers contra corrosão

A corrosão dos sprinklers de incêndio pode levar a danos graves, mas quanto mais cedo você agir, mais fácil será conter esses danos e restaurar todo o sistema para a função ideal. O primeiro passo para evitar a corrosão é agendar uma inspeção de obstrução interna de cinco anos.

Continue lendoManutenção de Sprinklers de incêndio: Como prevenir a corrosão

Como usar corretamente um extintor de incêndio

Outubro é o mês da prevenção contra incêndios , o que significa que é hora de rever a segurança e a prevenção contra incêndios e procurar saber mais sobre AVCB

(Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros).

Caso o seu extintor de incêndio esteja coletando poeira, aqui está tudo o que você precisa saber antes de limpá-lo e combater um incêndio em sua casa da maneira certa.

Todos nós deveríamos ter pelo menos um extintor de incêndio em algum lugar da nossa casa, mas não basta simplesmente manter um debaixo da pia da cozinha. Se houver um incêndio, sua segurança, depende de saber como usar o extintor de incêndio corretamente.

Escolha o extintor certo

A primeira coisa que você precisa saber são as diferentes classificações de incêndios , e a segunda que nem todos são incêndios, você precisa entender com quais tipos de incêndios você pode ter que lidar e garantir que seu extintor possa fazer o trabalho.

A maioria dos incêndios domésticos se enquadra em uma das seguintes categorias:

  • Classe A: Esses incêndios são alimentados por combustíveis sólidos como madeira, papel e tecido.
  • Classe B: Esses incêndios são alimentados por líquidos inflamáveis, como óleo, petróleo e gasolina.
  • Classe C: Esses incêndios são iniciados ou alimentados por fiação defeituosa, caixas de fusíveis e aparelhos.
  • Classe K: Esses incêndios são iniciados ou alimentados por óleos e graxas de cozinha, gorduras animais e gorduras vegetais.

Todos os extintores de incêndio são rotulados para indicar quais classes de incêndio são projetados para combater. A maioria dos extintores de incêndio domésticos são considerados multiuso e rotulados para uso nas classes A, B e C.

Os extintores de classe K são mais pesados ​​e precisarão ser comprados separadamente. Sugerimos este extintor de 6 litros , pois se enquadra melhor na recomendação da AVCB.

Como usar corretamente um extintor de incêndio

Extintores de incêndio domésticos também são classificados para o tamanho do fogo que eles podem lidar com segurança. Quanto maior a classificação (equivalente ao número de galões de água necessários), maior o fogo que o extintor pode apagar.

Os incêndios de classe A são classificados de 1 a 40.
Os incêndios de classe B são classificados de 1 a 640.
Não há classificação de tamanho para incêndios de classe C.

Como usar um extintor de incêndio

Depois de entender os diferentes tipos de extintores de incêndio e seus usos, você precisa ser capaz de operar um adequadamente.

A melhor maneira de estar pronto para uma emergência de incêndio em sua casa é estudar as etapas abaixo e revisá-las regularmente para proteger sua casa e sua família.

1. Identifique uma rota de saída/fuga clara

Antes de operar o extintor de incêndio, certifique-se de ter um caminho de evacuação desobstruído. Se você não puder apagar o fogo, você precisará fazer uma saída segura. Considere isso ao determinar onde armazenar seu extintor de incêndio e certifique-se de ter várias opções de saída por perto depois de recuperá-lo.

2. Afaste-se

Enfrente o fogo e fique de costas para a saída clara que você identificou anteriormente. Você deve ficar entre seis e oito pés de distância das chamas enquanto se prepara para operar o extintor de incêndio.

3. Extintor de descarga

Pode ser difícil pensar com clareza durante uma emergência, portanto, segurança contra incêndio tem um acrônimo de longa data para ajudá-lo a lembrar as etapas envolvidas na operação do extintor de incêndio. Ao extinguir um incêndio, você deve PASSAR :

P: Puxe o pino do extintor.

R: Aponte o bocal do extintor na mangueira para baixo, em direção à base do fogo.

S: Aperte a maçaneta ou alavanca para descarregar o extintor.

S: Varra o bocal para frente e para trás. Mantenha o extintor apontado para a base do fogo e mova-o de um lado para o outro até que as chamas se extingam.

4. Fique de olho nas coisas

Depois que as chamas parecerem apagadas, continue observando a área do fogo para se certificar de que não reacende. Se o fogo recomeçar, repita o processo PRSS.

5. Ligue para o corpo de bombeiros

Se você não teve a chance de chamar o corpo de bombeiros local antes de descarregar o extintor, faça isso agora. Eles poderão inspecionar o local do incêndio e garantir que ele esteja completamente extinto.

6. Vá para um lugar seguro

Quando o fogo estiver apagado, ou se você não conseguir extinguir o fogo, saia do local e encontre um local fora do alcance do fogo.

Como não temos oportunidades regulares de praticar o combate a incêndios, é fácil cometer erros simples quando chega a hora. Saiba onde a maioria das pessoas erra para evitar cometer um erro sob pressão.

Não ignore

Não ignore as instruções: Leia atentamente as instruções de operação que acompanham o seu extintor. Certifique-se de que todos os membros capazes de sua casa leiam e entendam as instruções. Revise-os regularmente ao realizar simulações de incêndio e revise seu plano de evacuação.

Continue lendoComo usar corretamente um extintor de incêndio